O STAND 1.6

RÁDIO GAMBOZINO

LEA MANAGIL & 

16.04.2021

noite n.426

é agora // não há outro timing ideal
tem de ser // tem de ser agora

3,2,1
e continua: como esconder um corpo
cuja morte foi decidida por outrem?


nunca soube o que são gambozinos
mas vou sempre querer ir caçá-los

a emissão gambozínica
celebra um pacto de amizade
um espaço para onde tudo se desvia
onde podemos guardar todas as versões
das nossas e das outras coisas

nunca soube o que é a rádio gambozino
Lea, quando falaste desta viagem pela primeira
vez senti o cheiro da serra;
este cheiro da serra em abril

a alvorada também é um destes
espaços para onde tudo se pode desviar
que encerra em si uma série de
pequenas performances que só
se acede àquela luminosidade

o desvio para o vermelho e o desvio para o azul; 
alternadamente, ritmadamente na sua alternância
tão rápido que é crepuscular

nunca soube o que é a rádio gambozino
mas vou sempre querer ouvir a rádio gambozino

escolhi:
quero construir um lugar onde
possa deixar
e ficar até ao fim
mas deixar

ainda hoje a memória não decidiu
mas o conhecimento sabe que:
- vou sempre sair à procura de gambozinos


filipa



fotografias © Samuel Duarte
Agradecimentos especiais:
Samuel Duarte & Andreas Feliu, Nuno Ferreira, Maria João Petrucci, Cecília Corujo, Daniela Viçoso, AFFDP, Diogo Branco, Pedro Cabrita Paiva, Pandeireta & Picareta, Rita Carolina Silva, Diogo Bach, Vitor Grilo, Joana Siquenique ft Eduardo Fonseca e Silva & Francisca Valador, Luísa Cunha



LEA MANAGIL
Lea Managil (Lisboa 1991) formou-se em Pintura, pela Faculdade de Belas Artes de Lisboa (FBAUL) e Música, pela Escola de Música do Conservatório Nacional (EMCN) e pela Universidade de Aveiro (UA).
Entre as exposições mais revelantes, destaca-se a exposição individual Breathable Objects, Las Palmas (Lisboa, 2018); e as exposições colectivas – And Yet You Go On, no espaço DuplexAir (Lisboa, 2020); Homework, galeria Madragoa (Lisboa, 2020); lançamento da 4aedição da revista Dose, galeria Lehman Silva (Porto, 2020); CENTRAL ASIA - Presença Brilhante, exposição organizada pelos artistas Eduardo Fonseca e Silva, Francisca Valador e a dupla Primeira Desordem; Aguadilha - Ciclo de Amizades, colaboração com a artista Inês Brites (Lisboa, 2019); Frente Decadente, ciclo mensal organizado pelo colectivo Estrela Decadente, DesterroBar (Lisboa, 2019); No dia seguinte está o Agora, CAPC (Círculo de Artes Plásticas de Coimbra, Círculo Sede, Coimbra, 2018); Exposição de Finalistas, Sociedade Nacional de Belas Artes (Lisboa,2014); Ninguém diz Nada, Quinta da Alagoa (Carcavelos, 2013); Encontros, Próximos, ISEG (Lisboa, 2013) e 96 Horas, rua Marques da Silva (Lisboa, 2012). Conta ainda com as recentes publicações da revista online Daily-Lazy(2019), no seguimento da exposição Breathable Objects; a participação na terceira edição da revista Dose (2019), e o artigo relativo à exposição colectiva And Yet You Go On na revista Umbigo. Lea vive e trabalha em Lisboa.